Arquivo da categoria: Revisão

Sobre traduzir e suas sutilezas

Hoje compartilho com vocês a entrevista feita pela querida Carol Alberoni, do blog Carol’s Adventure in Translation, com a aclamada tradutora australiana Alison Entrekin, que traduziu do português ao inglês difíceis obras literárias brasileiras. Não só admiro muito o trabalho da Alison, como acho que ela muitas vezes fala de coisas muito sutis em suas entrevistas, desta vez como entender a pontuação das línguas com que se trabalha (e usá-la de forma que faça sentido nas línguas em questão, principalmente na de chegada para o tradutor). Reconhecer essas sutilezas faz parte do trabalho de um tradutor de qualidade, não só do tradutor literário.

You have to analyse the context and ask questions: How does this piece flow? Who is speaking? Does this comma cause readers of the translation to pause where readers of the original keeping going? Does it change the rhythm or tone?

E, para não pensarem que a dica que sempre dou de ler a tradução em voz alta é coisa banal, a Alison também fala a mesma coisa:

If you can, read your translation out loud, listening for glitches, sense, transitions, alliteration that isn’t supposed to be there.

E reforça também a importância de revisar a tradução várias vezes:

Revise, revise, revise. When in doubt, revise again.

Essas dicas são maravilhosas não apenas para quem esteja traduzindo literatura, mas qualquer gênero textual.

Leia a entrevista completa, em inglês, aqui. A entrevista faz parte da série de entrevistas Greatest Women in Translation do blog da Carol.

Anúncios

Deixe um comentário

13/05/2017 · 04:57

Artigo indefinido ao traduzir profissões

Uma das minhas observações recentes ao revisar traduções de colegas revela que há muita confusão no uso dos artigos ao traduzir do inglês ao português. É válido lembrar que o inglês usa determinado artigo que às vezes não é necessário na tradução ao português. Ou, ainda, o inglês não usa artigo, mas ao traduzir para o português precisamos incluir tal elemento.

Um dos casos em que o inglês usa o artigo, mas o português não é ao indicar profissões no singular.

Por exemplo:
I am a translator. Sou tradutora.

Veja que a tradução não é Sou uma tradutora. Como já dei a dica aqui antes, é só pensarmos ou lermos em voz alta. Se alguém perguntar para você em português qual é sua profissão, você responderia “Sou um tradutor” ou “Sou tradutor”?

Outros exemplos:
He’s a writer. Ele é escritor. (Incorreto: Ele é um escritor).

She wants to work as a teacher next year. Ela quer trabalhar como professora no ano que vem. (Incorreto: Ela quer trabalhar como uma professora no ano que vem).

No entanto, se houver um adjetivo, então o artigo será necessário:

She’s a famous actress. Ela é uma atriz famosa.

Bom, espero que os colegas que têm feito as traduções que eu reviso vejam este post 🙂 e notem a diferença nas suas traduções. Semana passada revisei uma tradução de 80 mil palavras que seguia sempre os mesmo artigos do original em todas as ocasiões e exigiu algumas boas alterações, e hoje revisei mais um projeto em português que estava cheio desses artigos indefinidos ao apresentar os funcionários de uma empresa e suas aspirações de carreira. Não é crítica, porém mais uma dica para que os colegas possam aprimorar seus dotes tradutórios. E repito, mais uma vez, leiam suas traduções em voz alta, fazendo de conta que é você que está falando aquilo. Ao fazer essa leitura com atenção, com certeza dá para notar que algumas traduções literais ou palavra por palavra não caem bem.

Desejo a todos uma boa passagem de ano. Que 2017 seja um ano repleto de traduções e uso correto de artigos 🙂

Deixe um comentário

28/12/2016 · 05:36