Falando sobre a profissão no The Migration Show

Notícia rápida: duas semanas atrás, fui convidada para falar no podcast The Migration Show, apresentado pelos agentes de imigração Monica Gruszka e Mark Northam. O episódio foi ao ar na semana passada e, animada, venho aqui compartilhar com vocês. No link acima, a partir do minuto 40:30, vocês podem me ouvir falando sobre como nós, tradutores, e os agentes de imigração podem trabalhar melhor juntos, como sinto que as pessoas não dão o devido valor aos serviços de tradução, e as vantagens de se trabalhar com tradutores individuais. Espero que curtem! (O podcast também pode ser ouvido em um app de podcast no celular).

Semana de boas notícias

Esta semana foi de boas notícias.

Primeiro, recebi um feedback lindo de um cliente de hotelaria, referente a um projeto no qual eu trabalho desde o ano passado. Disse o cliente que a qualidade das traduções está ótima e que não tem encontrado nada incorreto nas traduções enviadas. Yaaaay!!! Sempre bom quando toda a dedicação e atenção dada a escrever traduções de qualidade tem um reconhecimento.

Depois, o texto sobre como os tradutores podem se beneficiar da prática de yoga, que escrevi inicialmente para o Carol’s Adventures in Translation, foi agora publicado na NAATI News, página da NAATI (associação de credenciamento de tradutores da Austrália) com conteúdo escrito por profissionais do ramo.

Ainda tem também o Programa de Mentoria da ABRATES, cujas sessões começaram nesta semana e sou uma das mentoras! Mais sobre o assunto virá em outro post daqui a uns dias. Até lá!

 

 

 

Traduções NAATI – processo e prova

Vira e mexe recebo e-mails de brasileiros que moram na Austrália que querem se tornar tradutores certificados pela NAATI e me perguntam quais são os requisitos, como é o processo e se a prova é difícil.

Pois este post destina-se a falar sobre essas questões.

– Quais são os requisitos e como é o processo para se tornar um tradutor da NAATI:

É possível encontrar todas as informações sobre a prova de certificação no site da NAATI aqui, que inclusive inclui os requisitos necessários. Você também pode obter mais informações ligando ou visitando o escritório da NAATI. Antes de eu prestar a prova, fui ao escritório de Sydney para me certificar de que tinha mesmo todos os requisitos antes de me candidatar.

– Se a prova é difícil:

Para mim, é complicado dizer se a prova é difícil. Eu já era tradutora há 4 anos quando prestei a prova de credenciamento*, por isso eu já tinha experiência com tradução de textos e já entendia sobre a ética do tradutor, então não tive problemas. No entanto, quando prestei a prova para credenciamento* de português para inglês (prestei as duas direções separadamente), encontrei uma candidata no local da prova que disse que estava prestando pela terceira vez; ela tinha sido reprovada nas outras duas vezes. Se você quer realmente fazer a prova ou se está pensando em prestar, sugiro que compre o kit de prática para entender como é o formato da prova, ter acesso a exemplos de textos a serem traduzidos e perguntas da prova oficial e veja como se sai.

Nota: lembre-se que tradução é uma profissão, então, é claro que a prova desconta erros de ortografia, pontuação, por má interpretação de texto, tradução inadequada, terminologia inadequada, etc. (já recebi perguntas sobre isso também!)

Boa sorte! 🙂

* Em 2009/2010, o nome da qualificação era credenciamento, não certificação.